segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

A minha relação com o peso

Exactamente um mês depois do último post (sou péssima com a assiduidade por estas bandas), cá estou para vos falar um pouco deste tema. Toda  minha vida fui uma miúda gordinha e, felizmente, sempre bem resolvida. Nunca fui complexada, nunca deixei de usar a roupa de que gostava, nem nunca me preocupei com comentários alheios. Nunca deixei de ter amigos ou namorados por causa disso. Nunca deixei de dançar numa discoteca por ter vergonha que olhassem para mim. E sempre aceitei bem as minhas curvas.

Dito isto, também sempre tive perfeita noção de que o excesso de peso é prejudicial à saúde. O meu peso sempre oscilou muito, já tive fases em que estava mais magra, outras em que estava mais gorda. Há anos, ainda na adolescência, fiz uma dieta acompanhada por uma nutricionista, por ter decidido que talvez fosse bom para a minha saúde naquele momento perder algum peso. Perdi 15kg. Depois, como acontece frequentemente, deixei de me preocupar com a alimentação novamente, sempre fui muito gulosa, e com o passar dos anos, gradualmente, fui ganhando peso novamente.

Já adulta, já mãe do meu primeiro filho, devia ter uns 26 anos talvez, decidi que devia, mais uma vez, descer o número na balança. Nessa altura, não recorri a nenhuma nutricionista, simplesmente, durante algum tempo, controlei a minha alimentação e também foi quando comecei a fazer exercício. Sempre ODIEI exercício, sempre fui preguiçosa, mas contrariei essa tendência, começando pela zumba, já que dançar sempre foi algo de que gostei. Com o tempo, comecei a fazer outros treinos. Perdi 12kg.

Entretanto, voltei a deixar de me preocupar com isso quando engravidei e sofri um aborto e não quis saber mais de dietas nem voltei a treinar durante muito tempo. Engravidei da Alice já com bastante excesso de peso e durante a gravidez engordei mais do que devia. Depois, veio todo o cansaço e trabalho que um recém-nascido dá e, posteriormente, percebi que ela era uma criança que dava mesmo muito que fazer e a minha vontade de fazer alguma coisa em relação ao peso continuou nula. 

Comecei a ter alguns problemas pessoais na minha vida e no meu casamento, entrei numa letargia em que simplesmente deixei de me preocupar com tudo o que tivesse a ver comigo para, basicamente, viver para a minha filha. Até atingir um ponto crítico, em que resolvi que isso tinha que mudar tudo para bem da minha saúde mental e da minha relação. Foi quando fiz algumas mudanças na minha vida e a preocupação com o peso foi uma delas. No início do verão, iniciei uma dieta com uma nutricionista, voltei a treinar regularmente e, 6 meses volvidos, tenho menos 20kg.





Já tive que mandar apertar alguns vestidos, já desci tamanhos e perdi volume em várias áreas. Se é fácil? Não, não é, não vos vou enganar. 😂 E podia ter perdido mais se seguisse sempre a dieta à risca, mas vou dando umas facadinhas. E, ainda assim, estou satisfeita com o meu percurso até aqui. Estou mais leve, mais flexível, tenho mais facilidade em encontrar roupa e consigo treinar melhor. Continuo com excesso de peso e com trabalho pela frente, mas tenho orgulho do que já alcancei. 2020 foi um ano de merda em vários aspectos, mas deu-me algo de positivo.

A minha relação com o peso

Exactamente um mês depois do último post (sou péssima com a assiduidade por estas bandas), cá estou para vos falar um pouco deste tema. Toda...