quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Do trabalho temporário

O trabalho temporário foi das piores coisas que resolveram instituir neste país. Se são as empresas de trabalho temporário quem mais contrata? São sim senhora. Mas isto não significa que seja benéfico para quem trabalha. Se o trabalho temporário não existisse, as empresas, quando precisassem de pessoal, eram obrigadas a contratar as pessoas na mesma, sendo que teriam que existir contratos com condições que são sempre diferentes. É certo que a vida profissional não está fácil para muita gente, mesmo sendo contratados ou efectivos. Tudo bem. Mas os trabalhadores temporários são os mais desprotegidos dentro de qualquer empresa, que estão sujeitos a todo o tipo de pressões e chantagens por parte da chefia, que não têm regalias e que têm que se sujeitar a tudo, porque, caso contrário, são corridos para serem substituídos. São aqueles que não podem nunca faltar por estarem doentes, que não se podem dar ao luxo de ir a reuniões ou eventos da escola, que nem podem ficar com os filhos doentes em casa, que fazem horas extra e fins-de-semana, que trabalham em todo o tipo de condições, que não têm férias.

Dentro de dois meses, termino o limite de tempo por trabalho temporário na empresa onde estou. Completo um ano de trabalho temporário e, obrigatoriamente, tenho que me ir embora. Vão despedir-me, porque faz parte das regras, como também faz parte delas que estes trabalhadores fiquem quatro meses fora da empresa. Quatro meses! Se isto faz sentido? Não. Nenhum. As pessoas que lá estão já sabem como se trabalha, conhecem o material, os procedimentos, o local de trabalho, os chefes. E obrigam-nas a estar quatro meses fora? E ainda têm que ensinar uma pessoa nova, levando a atrasos na produção, o que é normalíssimo quando se tem uma pessoa a aprender.

Para além da indignação com estas regras parvas, confesso que vou sentir saudades! Não é o meu trabalho de sonho, quando era pequena o que queria para mim não era um futuro numa fábrica a fazer embalagem para produtos do sector automóvel. Mas é um trabalho do qual eu até gosto. Não temos as melhores condições, é certo. Mas é um ambiente do qual eu gosto. Já estou muito habituada ao sítio, às pessoas, às rotinas. Vou sentir a falta de tudo aquilo, as gargalhadas com as colegas de trabalho, as palhaçadas, o bom ambiente que se vive, das conversas banais com as pessoas com quem trabalho, como falar sobre o que fazemos para o jantar e a troca de receitas. É uma rotina que me agrada e que me vai custar perder. Já para não falar do desemprego. Que nisso nem quero pensar... Ter que ir pedir um subsídio merdoso e, muito provavelmente, ser chamada para aqueles cursos... é coisa para me dar urticária!

2 comentários:

  1. Eu bem sei do que falas pois quase todos os trabalhos que tive foram temporários...Sem falar que as empresas que te contratam ficam sempre com uma percentagem do teu ordenado por te terem "encontrado", baaah!
    Espero que arranjes uma ocupação durante esses 4 meses!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Pretty, sim... as empresas de trab temporário são uma chulice, ficam sempre a ganhar. Enfim... Tb eu espero!
    Beijinho :)

    ResponderEliminar

Manda o teu bitaite