sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Roubados à descarada!

O sítio onde trabalho recruta pessoal através de trabalho temporário, como acontece tanto hoje em dia. Em Dezembro, mudou de empresa de trabalho temporário. E a antiga empresa começou a levantar problemas com o pagamento das caducidades. Não pagaram no dia certo e o que aconteceu foi que as pessoas se começaram a juntar na empresa de manhã, pessoas de 2º turno, que só entravam à tarde, pessoas de 3º turno, que trabalharam durante toda a noite e, a partir de uma certa hora, as pessoas do 1º turno, como eu, que foram lá tirar satisfações relativamente ao atraso nos pagamentos. A partir do momento em que elas disseram aos trabalhadores que ainda não havia dinheiro, foi o descalabro. O pessoal da noite, que trabalhou toda a noite, passou lá todo o dia, revezaram-se para ir almoçar, para elas não fecharem as portas, exigiram o dinheiro deles, chamaram a polícia e a televisão e fizeram uma revolução ali. Depois daquilo, elas finalmente disseram que iriam chegar cheques às 21h. Queriam fechar as portas na hora de fecho, às 18h, mas ninguém deixou. Depois de estarmos lá à porta uma série de tempo, apareceu a polícia outra vez. Foi um autêntico caos, elas chamaram seguranças, estavam com medo de ali estar... Às 21h, a hora em que era suposto virem os cheques, dizem que o gerente ainda estava a sair de Lisboa. E nós em Setúbal, à espera... Entretanto, chegou mais polícia, pediram-nos a todos para esperar na rua, fizeram uma barreira e não nos deixaram aproximar. Lá veio o gerente, com escolta policial, toda a gente aos gritos e insultos. Depois, só nos deixaram entrar em grupos pequenos e sempre com a polícia lá dentro. No fim, ainda nos pagaram a menos, já lá voltámos, rectificaram uma parte, mas ainda falta e elas não admitem. Andamos a reunir algumas pessoas das que lá estiveram e já temos reunião marcada com o sindicato. Têm sido dias atribulados e de muito stress. Hoje houve reunião na ginástica e na escola, da associação de pais, tivemos que nos dividir. Enfim, preciso de descanso!

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Vou à bruxa!

O nosso carro está cheio de problemas e, portanto, tendo passado o dia da inspecção, ficou encostado. O meu telemóvel... perdi-o. Tive que pedir uma segunda via do cartão para pôr num telemóvel antigo. O meu pc levou com um copo de sumo, pelo que, automaticamente, morreu para esta vida. E por isto o blog vai, temporariamente, andar mais paradito. O namorido está há dois dias doente e o meu filho acordou hoje com dores de barriga. Reguem-me com água benta!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Desarrumação e procrastinação

Palavra de honra que eu gostava, gostava mesmo de ser daquelas pessoas que mantém a casa sempre limpa e organizada. Gostava de gostar de ser assim. Mas... essa não sou eu. De todo! E quanto mais tempo livre tenho, menos me apetece fazer, a verdade é esta. Estes últimos dias, o meu filho não tem estado cá em casa e o que acontece é que tenho roupa empilhada no sofá para passar a ferro, sacos pelo hall de entrada, loiça para lavar, roupa passada para guardar, a árvore de natal ainda por desmanchar e toda uma série de coisas fora do sítio. Se já normalmente a vontade é pouca, quando ele cá não está, é, basicamente, nenhuma. E porquê? Ele não anda a cirandar pela casa, nem está a requerer a minha atenção, pelo que me deixo estar esparramada no sofá e a arrumação vai ficando para depois... e depois... porque procrastinar é comigo. Sei que não sou a única! Mas a verdade é... quem é que, depois de um dia cansativo de trabalho, tem vontade de chegar a casa, ter que fazer jantar e ainda andar a limpar, a arrumar a loiça, a roupa, a passar a ferro e tal e tal? O sofá a chamar por mim é tão mais convidativo...

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Seis anos!


Meu pequenino, já tão grande. Este cliché de que o tempo voa é mesmo verdade. Desde que apareceste na minha vida, parece que os anos me fogem por entre os dedos. Lembro-me tão bem de te pegar ao colo pela primeira vez, na tua roupinha amarela, pequenina, ainda de dedinhos fechados, gordinho e maravilhosamente macio. Faz hoje seis anos que me emocionei ao ouvir o teu choro pela primeira vez. Faz hoje seis anos que conheci o amor da minha vida. Amo-te, coisinha boa da mãe. Parabéns!

domingo, 4 de janeiro de 2015

Na Cozinha da Cy #11

Tomates rechados com carne picada


Ingredientes:
3 tomates
1 embalagem de carne picada
Alho
Cebola
Polpa de tomate
Vinho branco
Louro
Azeite

Preparação:
Picar o alho e a cebola. Colocar num tacho, juntamente com o azeite, a polpa de tomate, o vinho e o louro. Adicionar a carne picada. Juntar água até cobrir a carne e temperar de sal. Tirar a tampa aos tomates e recheá-los com a carne picada. Tapar, colocar num pirex com um fio de azeite e levar uns minutos ao forno.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Vitória da SS5

Elisabete. Só me apraz dizer LOL. Há quem diga que a reacção dos ex-concorrentes à vitória dela foi mesquinha. Eu acho que foi bastante genuína. Ninguém, para além do Bruno e da Agnes, se manifestou com a vitória dela. E foi genuíno porquê? Porque ninguém gostava dela e sempre o disseram. Portanto, foram fiéis à opinião deles. Era melhor serem hipócritas e irem dar-lhe dois beijinhos? Não. Fizeram muito bem. Até porque à Elisabete tanto se lhe dá se lhe vão dar os parabéns ou não. Quanto à mãe dela, vou abster-me de comentar, só por uma questão de respeito, porque aquela senhora tem muito que se lhe diga. Venceu, muito bem, muitos parabéns, mas que é uma sonsa, ai isso é! Mostrou várias caras lá dentro, tal como sempre disseram. Foi mal merecido, mas já estamos habituados a isto. Vencedor da SS1, o António. Para mim, tinha sido a Ana Isabel. Vencedor da SS2, João Mota. Substituía pela Cátia Palhinha. Vencedor da SS3, Rúben. Este, sim, achei justo. Vencedor da SS4, Luís. Não foi completamente mal ganho, mas preferia a Érica, que, em termos de jogo, foi bastante melhor e mais jogadora. Nesta SS5, o Pedro fez todas as missões com gosto, bem sucedidas na sua maioria, é uma pessoa culta, frontal, foi para jogar e não para andar metido em lamechices e chegou justamente ao fim sem nomeações nem imunidades. A Elisabete mostrou-se sempre uma pessoa diferente quando ficava nomeada. Entrou como santinha e acabou a dar grandes cambalhotas, à luz acesa e de tal modo que até censuraram a imagem. Tal não foi a cowboyada. E é isto. É sonsa, é sonsa, mas chegou lá! Adoro também o facto de ela acreditar piamente que vai mudar o Bruno. Ahahahah! Oh, fofa. Chego a ter pena de ti, assim. Querida, todas pensam isso e nunca corre bem. Assistiu a tudo o que se passou com ele naquela casa e, ainda assim, está confiante de que o muda? Oh, por favor. É vê-lo chegar ao Desafio Final e deitar logo a mão a outra. Esta televisão portuguesa está perdida.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Filmes do último dia do ano

Ontem o dia foi dedicado ao meu amor mais pequenino. Eu e o namorido passámos o dia no sofá com ele a ver bonecada e os eleitos foram estes dois. Gostei dos filmes, são fofinhos. E sempre que vejo os filmes de desenhos animados de agora reparo como são diferentes daqueles que via quando era pequena. O que agora se vê é completamente diferente da Cinderela, Branca de Neve, Pinóquio, Bela Adormecida. Guardo boas recordações dessas personagens, mas devo confessar que os filmes de animação que agora há são muito engraçados e a verdade é que se vêem bem em família. Fica a sugestão!





Comemorações a dobrar

Ficam aqui os meus votos de um bom ano, que comecem (e acabem!) 2015 em grande. Que tudo vos corra bem, desejo a todos o mesmo que para mim. Não desistam dos vossos sonhos, sei muito bem que, por vezes, o pessimismo apodera-se de nós, mas nunca desistam. Sejam felizes!

Amor, para ti, para nós, desejo os parabéns. Completamos hoje três anos de namoro, um ano e meio a viver juntos, passando por cima de muitos problemas. Por muitos altos e baixos que tenha a nossa relação, por muitos obstáculos que apareçam na nossa vida, juntos ultrapassamos tudo. Apesar de este ano não termos possibilidades para comemorar nem a passagem de ano, nem o nosso aniversário, deixamos as comemorações para quando o pudermos fazer. A verdade é que, apesar de isso me entristecer, o facto de estarmos juntos me faz muito feliz. São três anos de nós. Amo-te!