segunda-feira, 8 de abril de 2019

Séries viciantes #30 \\ Supergirl



Sinopse: Momentos antes da destruição de Krypton, a pequena Kara Zor-El é enviada a Terra por seus pais em uma missão de cuidar de Kal-El, seu primo ainda bebé. Entretanto, a nave de Kara é atingida por uma onda de choque e lançada para dentro da sombria Zona Fantasma, uma prisão intergalática atemporal. Após um período adormecida, a cápsula de Kara deixa a Zona Fantasma e alcança a Terra, onde ela encontra Kal-El adulto e super-poderoso, agindo heroicamente como o defensor do planeta conhecido como Superman. Entregue por ele a uma família de cientistas, Kara é adotada como Kara Danvers. Anos se passam, até que ela decide se revelar ao mundo e compartilhar dos poderes e da natureza heroica do seu primo, impedindo um acidente aéreo e salvando a vida de centenas de pessoas, incluindo sua irmã adotiva, Alex. Ao lado dos amigos James Olsen, Winn Schott e do DOE, do qual Alex faz parte, Kara se divide entre o trabalho árduo de assistente pessoal da celebridade da mídia Cat Grant, e a missão árdua de defender a humanidade de ameaças hostis sob o alter-ego "Supergirl".

Alex

James e Winn

Kara e Mon-El


Supergirl e Flash

Supergirl e Indigo

Opinião: A minha opinião acerca desta série segue a mesma linha da The Flash, Arrow e Legends of Tomorrow. Não são todas iguais, claro, mas movem-se no mesmo universo e traz-nos os dilemas inerentes à vida de super-herói. Equilibrar a vida normal com o dever de salvar pessoas. Gosto da personagem da Kara, mas a minha favorita é a Alex, a irmã adoptiva. Muito badass! Cada episódio, basicamente, nos traz um novo problema para resolver, mas, paralelamente, vai-se desenrolando a vida dos personagens e é engraçado ver a sua evolução. Mais uma vez, à semelhança de outras séries do género, não há muito a contar sobre ela, mas que é gira para quem gosta de cenas de super-heróis e constantes confrontos entre o bem e o mal.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Manda o teu bitaite

Do Natal

Este ano vamos ter um Natal diferente. Infelizmente, não poderemos comprar prendas a ninguém. Estamos numa situação delicada neste momento ...