domingo, 7 de agosto de 2016

O dia em que fiquei louca

A minha vida não me deixa passar tanto tempo com o meu filho como eu queria, nem dar-lhe tudo aquilo que gostaria de lhe dar. E isso faz com que, em vez de ficar sossegadinha, quando é possível, faço o que posso para que ele se divirta e seja sempre uma criança feliz. Portanto, neste fim-de-semana, resolvi que havia de lhe fazer uma festa do pijama. Mas ele tem 7 anos e dar conta de muitas crianças nessa faixa etária afigurava-se-me semelhante a um filme de terror, pelo que decidi que não ia convidar muitos. Com o meu filho, eram 4 crianças. E, mesmo assim, foi a loucura nesta casa. Tanto barulho, tanta confusão, tantos gritos. Excitadíssimos com tudo, todos eles numa festa do pijama pela primeira vez, todos eles pela primeira vez a dormir fora de casa, para além da casa dos avós. Chegaram ao fim da tarde e estiveram a brincar até à hora de jantar.






Um pagode, portanto! Ao jantar, dei-lhes pizza e batatas fritas, do mais simples e rápido. Isto implicou andar a perguntar aos pais se gostavam de pizza, de quais e que batatas preferiam, que sumos gostavam, enfim. Imaginem se fossem mais! Depois do jantar, ainda brincaram um bocadinho por casa...




... até começar a vê-los impacientes! Ao jantar, tinham-me pedido para ir ao parque. Mas eu, com a perspectiva de levar quatro pestes sozinha para o parque, paniquei. E disse que não. No entanto, a minha melhor amiga, madrinha do meu filho e tia de duas das crianças presentes, veio ter connosco depois do jantar e lá decidi levá-los, já que era aqui perto. Lá pularam, escorregaram, jogaram raquetes e comeram um gelado.






Quando voltámos para casa, veio um pouco de sossego! Enfiaram-se todos nos pijamas e toca de ver um filme. O escolhido foi o Força Ralph.


E depois de pipocas, gomas, rebuçados e filme terminado, foi tudo lavar os dentes e xixi, cama. Um real pincel até adormecerem, sempre na palhaçada. Ameacei que os separava cada um para seu quarto, que chamava os pais para os virem buscar, ralhei, enfim. Vinha para o meu quarto e eles voltavam à carga. Às tantas, foi lá o homem da casa. Ora... não ouvi nem mais um piu! Haja respeito. Falta-me a voz cavernosa, é o que é.


De manhã, decidi registar este momento raro. Quem é que diz que estes anjinhos dorminhocos são um bando de pequenos terroristas?

5 comentários:

  1. Isto sim são momentos INESQUECÍVEIS!!

    ResponderEliminar
  2. Que fofura!!! São noites assim que ficam connosco para sempre. Fizeste tão bem!

    ResponderEliminar
  3. Cansaram-se e depois foi dormir pa repor energias :D

    ResponderEliminar
  4. Lindo! A minha mais nova também me anda a pedir para fazer o mesmo, com mais 3 amigas, neste próximo fim-de-semana. Vou tirar daqui ideias e pânico :)) para o caso de se vir a realizar.

    ResponderEliminar
  5. "...nem dar-lhe tudo aquilo que gostaria de lhe dar."
    eu não tive tudo que queria. os meus pais não eram ricos e havia coisas que queria e que nunca tive. nunca tive uma barbie, por exemplo, quando quase todas as minhas amigas tinham uma, ou mais do que uma. aposto que a minha mãe teria gostado de me poder ter dado uma barbie. não tenho ideia de ter sido menos feliz por causa disso, por isso não te importes de não lhe dar tudo quanto gostavas.

    ResponderEliminar

Manda o teu bitaite