sábado, 19 de agosto de 2017

Evangelização


Não sou uma pessoa que goste de cães. Quer dizer, não tenho nada contra os bichinhos, não é que os deteste, ou que lhes deseje mal. A minha melhor amiga e madrinha do meu filho tinha um cão quando a conheci, entretanto, mais um se lhe juntou. Já morreram ambos e agora tem uma cadela. Sempre convivi bem com os animais dela e eu própria tive um cão durante muitos anos (bem como vários gatos, uma chinchila, porquinhos da índia, piriquitos e peixes). No entanto, não sou amante de cães. Ou de animais, no geral. Acho que devem ser bem tratados e são seres vivos que não merecem o que muitos canalhas lhes fazem. Contudo, não entendo o que é encarar um animal de estimação como membro da família, nem tratá-lo como um filho. Apesar disso, não condeno (não tenho nada a ver com isso, na verdade) quem o faz. Não entendo, mas não afecta a minha vida em nada. Não tento convencer ninguém do quão ridículo tudo isso me parece. Portanto, não aceito, nem admito que me queiram tentar convencer do contrário. Querem vestir os cães, vistam-nos. Querem tê-los a dormir na vossa cama, força nisso. Decidem gastar dinheiro com as despesas que eles acarretam? Acho bem, se tomaram a decisão de tê-los. Não vêem nenhum problema em ter crianças a gatinhar/brincar no chão onde os animais também andam? Tudo bem por mim, os filhos não são meus e os bichos também não. Nada disso é da minha conta, logo, opto por me calar e não dar opiniões que não me foram pedidas. Folgo em saber que há quem ame os animais assim e lhes dê o que eles precisam. Mas eu não sou uma dessas pessoas. Simplesmente, não sou. E não admito que me condenem por isso, quando eu não o faço com os outros. Calo os meus pensamentos sobre esse assunto para não ferir susceptibilidades, mas, se me tentam converter às vossas convicções, vão ouvir coisas desagradáveis. Vão encher-se de moscas mais às evangelizações. Já não há pachorra.

10 comentários:

  1. Só este ano é que tive o meu primeiro cão. Mas já tive muitos animais quando era mais nova, coelhos, pássaros, peixes, tartarugas (que ainda estão comigo!). Gosto de animais num geral, confesso.

    Tratar bem um cão não é sinónimo de lhe vestir roupas ou de o deixar subir para a cama. O meu nunca usa nada sem ser o peitoral ou a capa refrescante. Nem sobe para a cama/sofá. Ele tem o espaço dele e nós o nosso. Há quem me critique porque o ponho num parque próprio quando não estou em casa. Como se isso mostrasse que não gosto do meu cão. Mas gosto. Não o vejo como filho (é um erro que se traduz em muitos cães mal educados e agressivos!) mas vejo-o como um membro da família. A questão do chão... Ainda este fim de semana falei com o David sobre isso. Ainda não temos filhos mas quando tivermos não vamos stressar por aí além. Se hoje em dia eu já limpo o chão todos os dias então nessa altura limpamos 2/3x por dia. O resto é imunidade. Já vi que em muitos casos proteger demasiado é ainda pior!

    A verdade é que cada um tem direito à sua opinião. E só temos de respeitar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De tudo o que tenho visto de pessoas que têm animais, tu és uma das que, provavelmente, se aproxima mais da minha forma de pensar em relação à maneira como se tratam os animais. E sei que "Tratar bem um cão não é sinónimo de lhe vestir roupas ou de o deixar subir para a cama". Eu tb sempre tratei bem o meu cão e não fazia essas coisas, mas há muita gente que faz tudo o que mencionei. E está tudo bem, por mim, cada um é livre de fazer como bem entender. Tal como eu. E se é verdade que cada um tem direito à sua opinião, tb é verdade que as pessoas não gostam muito de respeitar isso.

      Eliminar
  2. Ninguém tem o direito de julgar ninguém. Beijinho

    ResponderEliminar
  3. O mundo está cheio de opiniões, cada um com a sua e é bom não julgar os outros e nem a nós próprios (quantas vezes fazemos isso?). Mas, com a maldade, discordo claramente. Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tento não julgar, mesmo não compreendendo algumas coisas. Porque, intimamente, todos julgamos, mas como pessoas com bom senso, devemos ter os filtros suficientes para saber o que dizer ou não. Por isso, não gosto que julguem a minha forma de pensar, mas, principalmente, quererem impor-me as suas opiniões.

      Eliminar
  4. Cada um tem direito a ter a sua opinião, há quem goste e queira ter animais, há quem goste, mas que não conceba a ideia de os ter em casa. Estas opiniões têm de ser respeitadas.
    Beijinhos,
    chicana.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu faço parte desse segundo grupo. O meu único problema é a falta de respeito mesmo, não os animais. Beijinho

      Eliminar
  5. Como deves ter reparado eu trato a minha cadela como uma filha, mas sou incapaz de impor a minha ideologia às pessoas a não ser que elas maltratem os animais. Acho que se trata apenas de respeitar a ideia do outro.

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a mim não me incomoda, porque quem sou eu para te dizer que não o deves fazer? És crescidinha para saberes o que fazes e para teres as tuas próprias opiniões. É bom que saibas respeitar quem pensa de forma diferente, é pena é quem nem toda a gente o faça. Já agora, maus tratos aos animais também não aceito!

      Eliminar

Manda o teu bitaite

Locais a conhecer #14 \\ Porto

Já falei aqui muitas vezes nesta cidade e em como ela tem lugar cativo no meu coração. Adoro de paixão a cidade Invicta. Garantidamente, se...