domingo, 13 de agosto de 2017

Rumo ao equilíbrio


Quem me acompanha há mais tempo aqui pelo blog, já saberá, provavelmente, que tenho tido alguns contratempos ao longo dos últimos anos. Maioritariamente, financeiros. Desde que saí da casa dos meus pais, a minha vida mudou radicalmente. Escolhi sair de casa deles quando estava a trabalhar em regime de trabalho temporário. Por outro lado, se estivesse à espera de melhorias nesse sentido, ainda hoje estaria em casa deles, porque estou, exactamente, onde estava há 5 anos (com entradas e saídas, mas fixa há 3 anos). Foi uma escolha que fiz, porque queria começar a minha vida com o meu filho ao lado do B. E não me arrependo. Mas confesso que não tem sido fácil. Todos os meses é uma ginástica orçamental para nos governarmos. Temos alturas melhores e piores. Numa das melhores, optámos por ter um filho. Engravidei. Perdi-o. A maior parte do ano passado, o B. esteve desempregado, a receber subsídio. Tem sido um remar contra a maré constantemente. A fazermos sábados e horas extra. Com o B. a aceitar biscates por fora. Este ano, ele arranjou um trabalho onde ganha melhor. E as coisas começam a equilibrar-se. Eu sou uma pessoa positiva, mas estar sempre a levar patadas da vida cansa de verdade. E parece que me sai um peso do peito quando as coisas se começam a compor. Como agora. Concorremos à Porta 65, um apoio à renda para jovens até aos 32 anos, em abril. Ontem, chegou a resposta. E a nossa candidatura foi aceite. Durante um ano, vamos ter direito a uma subvenção de 60% da renda. E é uma ajuda do caraças! Tenho mais novidades, mas ainda a marinar, pelo que vos contarei mais tarde, se vierem a concretizar-se, como esta.

11 comentários:

  1. Muitos parabéns! Espero que a partir de agora seja sempre a melhorar! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cláudia :) sim, muita energia positiva! :P

      Eliminar
  2. Boa!é sempre um balão de oxigénio. E pensa assim, a vida não tem sido fácil mas pelo menos agora tens um companheiro q te ajuda a suportar as dificuldades

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa parte é, sem dúvida, fundamental :)

      Eliminar
  3. A vida é mesmo assim querida. E falo de boca cheia pois ainda vivo com os meus pais pois sou ainda incapaz de me sustentar. Mas do pouco que sei e vejo, porque o meu namorado vive em dificuldades, a vida é realmente assim, sempre a dar patadas. Mas mantem-te positiva, sempre. Não te deixes empurrar para baixo. Eu tenho uma teoria que vale o que vale: a vida é como um arco e flecha, quanto mais para traz puxas ou te puxam (neste caso a vida), mais longe vais! Acredita!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando estava em casa dos meus pais, sabia que as coisas podiam não ser fáceis, mas não tinha real percepção do quanto, porque ainda não tinha sentido na pele. Essa tua teoria é um excelente mote de vida :)

      Eliminar
  4. Fico TÃO feliz por ti... reconheço perfeitamente esse estrangulamento financeiro e o drama que é para um jovem casal!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, não conheço a tua realidade, mas sabendo que o teu núcleo familiar é semelhante ao meu, acredito que te identifiques. Porque, apesar de muitas pessoas nos avaliarem pelo que publicamos no blog e julgarem que as coisas são perfeitas, só nós é que sabemos :)

      Eliminar
  5. Sei o que isso é... mas fico feliz por as coisas se estarem a endireitar para ti :)

    ResponderEliminar
  6. O arrendamento jovem é uma ajuda preciosa, sei do que falo porque também eu e o meu namorado beneficiamos durante três anos e felizmente ajudou e muito.
    Força querida, sei que é difícil mas pensamento positivo e força de querer.
    Vai tudo correr bem :)

    ResponderEliminar
  7. Boa, isso é uma excelente notícia.
    Aos poucos as coisas vão se compondo.

    Beijocas

    ResponderEliminar

Manda o teu bitaite