sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Mariquinhas me confesso

Até há duas semanas, deixava a persiana da cozinha aberta durante a noite e, apesar de todas as janelas ficarem fechadas, não trancava nenhuma. Vivo num segundo andar, portanto, não me sentia propriamente insegura. Até um amigo me contar um episódio engraçado (só que não) que aconteceu à prima, que também vive aqui na vila. 

Estava ela descansadinha sozinha em casa, porque o marido trabalha à noite, deitada na cama a ler, quando ouve passos dentro de casa. Pegou na única coisa que tinha à mão no quarto (um candelabro ou algo que o valha) e saiu para o hall de entrada. Numa fracção de segundo, o olhar dela cruzou-se com o de um assaltante. Pelos vistos, regra geral, ela tranca a porta de casa... o que não fez nessa noite e talvez tenha sido a sua sorte, porque, ao vê-la, o homem fugiu porta fora. Quem sabe o que teria feito se esta estivesse trancada e ele se visse encurralado?

Parece que foi remédio santo para começar a trancar tudo à noite. Julgo que ela devia ser mais relaxada pelo mesmo motivo que eu. Uma pessoa não imagina que anda um homem-aranha por aí a trepar prédios... é que ela vive num 3º andar! Desde que ouvi esta história que não há uma única noite em que não baixe todas as persianas e tranque todas as janelas e porta de entrada. E se, eventualmente, me deitar sem o fazer, tenho que me levantar. Começo logo a imaginar assaltantes a entrarem-me casa adentro!

2 comentários:

  1. Também moro num 2º andar e também me sinto segura, mas tenho sempre porta e janelas trancadas. Tenho um medo terrível de que isso aconteça.

    ResponderEliminar
  2. Que horror! Imagino o susto!

    Eu por acaso tranco a porta da rua. Mas até me sinto segura.
    Mas também vivo num R/C.
    Tenho é grades nas traseiras da casa.

    Beijocas

    ResponderEliminar

Manda o teu bitaite

Velhos hábitos

Nunca fui de ver filmes nem séries em outras línguas que não o inglês. Ocasionalmente, mas sempre resisti um bocadinho. É-me estranho, ...