sábado, 11 de março de 2017

O Meu Conto de Fadas #4

A primeira saída (a dois)

A primeira noite foi bastante atribulada, como contei na última publicação desta rubrica, e acabámos por não desfrutar nada da companhia um do outro. Com a pressa de ir para casa, a minha mala grande ficou no carro das minhas amigas (para sair à noite usava só uma malinha pequenina a tiracolo e foi só essa que levei para casa comigo). No decorrer da conversa com o B. durante a noite, por SMS, mencionei que me tinha esquecido da mala e ele, queridíssimo, ofereceu-se para ma trazer no dia seguinte. Aceitei e no dia seguinte, como combinado, veio beber café comigo e trouxe-me os meus pertences. Eu costumava ser um bocadinho tímida, no convívio assim mais íntimo, quando não estava no meio de mais pessoas. Portanto, aquilo deixava-me pouco à vontade. E também não sabia bem como agir, porque ainda não estava solteira, não estava propriamente interessada noutra relação séria, julgava que quereria estar sozinha e não sabia bem o que estava ali a fazer com ele. Só sabia que a sua pessoa me atraía e, no fundo, queria estar ali. Mesmo falando pouco com ele, agradava-me estar na sua presença. Conversámos e passámos a tarde ali. Despedimo-nos na estação dos comboios, na altura ele não tinha carta. Quão romântico, hein? Grande parte do início da nossa relação foi assim, nas estações de comboio, ora na cidade dele, ora na minha. E ele lá foi. Ainda não foi dessa que avançámos para mais. Sim, aquilo custou a arrancar! 😋

2 comentários:

  1. Que história gira.
    As estações de comboio são mesmo românticas :)

    ResponderEliminar
  2. Ora, por aqui também tivemos bastantes viagens iniciais, pois vivíamos a 80 ou 90 km de distância!!

    ResponderEliminar

Manda o teu bitaite