sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

"I don't own my child's body"

Estive a ler este artigo da CNN aqui sobre (não) obrigar as crianças a beijar ou abraçar contra a sua vontade. É uma coisa que muitos pais fazem quando os filhos se recusam a cumprimentar com beijos/abraços um parente ou amigo e frequentemente os pressionam porque é "falta de educação" não o fazer. Pessoalmente, como alguém que não gosta muito de contacto físico e que não cumprimenta quase ninguém com beijos, não concordo com o facto de quererem obrigar os miúdos a isso. Porque não é preciso beijar ninguém para demonstrar boa-educação e não é a única forma válida de cumprimento.

Este artigo diz que a razão pela qual não se deve pressionar as crianças a ter estas demonstrações de afecto forçadas é para que elas nunca sintam que é correcto deixar que lhes toquem sem a sua permissão e contra a sua vontade. E ainda que pareça aos pais uma coisa inocente, não podemos esquecer que tudo o que acontece ao longo do desenvolvimento de uma criança tem impacto nela. Que, ao forçar as crianças a dar "afecto contra a sua vontade", estamos a ensiná-las que o seu corpo não lhes pertence realmente e que devem pôr de lado a sua vontade para satisfazer outras pessoas. Aparentemente, isto pode conduzir a abusos sexuais, pois deixa a criança mais vulnerável a aceitar contacto físico indesejado, ou a que uma adolescente aceite estar com um rapaz "apenas para que goste dela".

Por esta altura, penso que a maior parte das pessoas já tem consciência que os abusos sexuais são, maioritariamente, feitos por pessoas conhecidas (familiares, professores, amigos dos pais, treinadores, etc.). Por outro lado, é-nos difícil imaginar que pessoas que conhecemos, com quem lidamos de perto, de quem gostamos e de quem temos uma boa imagem, possam ter uma atitude tão monstruosa. E, infelizmente, nem todos os pais acreditam nos filhos quando eles têm a coragem de lhes contar que algo de errado se passa e preferem confiar em quem eles acusam.

Estou certa de que os pais não quereriam que a sua filha adolescente cedesse à pressão de ter sexo com o namorado só para o agradar, sem ter a certeza de que era isso que ela queria. E estes pais poderão dizer, relativamente a dar beijos à avó por obrigação, que é diferente. Não é. Para a criança, passa a mensagem de que não faz mal fazer isso por obrigação, que não faz mal deixar que lhe toquem contra a vontade dela. E não é isso que queremos para os nossos filhos.

Não se incomodem com o que os outros pensam, sejam apenas conhecidos ou familiares. A vossa opinião e a forma como escolhem educar os vossos filhos é a única que importa. Que o vosso filho não queira dar um beijinho ao tio, à avó ou à prima não significa que seja mal-educado. Ele diz "por favor" e "obrigada"? Ele sabe o quão importante é partilhar? Ele diz olá quando se encontra com alguém? Ele arruma o quarto e faz o que lhe ensinou ser o correcto no dia-a-dia? Então, é bem-educado. E se os vossos conhecidos pensam o contrário, paciência.

Além de tudo isto, pensem no seguinte (que também é referido neste artigo): para além do facto de estarem a ensinar as vossas crianças a protegerem-se futuramente, se ela abraçar ou mimar alguém de livre e espontânea vontade, tanto vocês como essa pessoa saberão que é carinho e amor verdadeiro, que ela escolheu demonstrar.

3 comentários:

  1. Certamente que não se deve forçar a crianças a dar beijos e abraços... mas deve-se estimular esta forma de amor. Mostrar que faz bem, que é bonito!

    ResponderEliminar
  2. S* claro que sim, não é desencorajar. No artigo a mãe diz à filha que gostava que ela beijasse a avó, mas que não a vai obrigar. É falar à criança sobre as pessoas, mostrar-lhes fotos, dá-las a conhecer, no fundo, pôr a criança à vontade para escolher demonstrar o afecto dela dessa maneira. Mas nunca forçá-lo se ela não quiser!

    ResponderEliminar
  3. Já tive esta conversa tantas vezes... também eu já me vi a fazer isso e depois travei. Não quer, não quer! Hoje em dia a única coisa que lhe peço é um bom dia ou boa tarde quando alguém que ela conhece perfeitamente fala com ela. E já me questionei se até isso deveria fazer... :)

    ResponderEliminar

Manda o teu bitaite